quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Climategate 26 a 29 de Dezembro

(Reformatado 2010-5-1) - Estes posts foram trazido do meu blog no Sapo. Desculpem as cores e outras coisas que não funcionem.


Pedida a demissão de três dos "cientistas" fraudulentos
Tem sido pedida a demissão do Prof Phil Jones da U de East Anglia, e de Michael Mann e Eduardo Zorita do IPCC da ONU.


Pseudocientistas em negação
Os pseudo-cientistas do aquecimento global estão a negar que se passe alguma coisa. Gavin Schmidt, responsável pelo blog RealClimate.org, completamente favorável ao aquecimento global a ponto de censurar os comentários contrários, diz que o conteúdo dos e-mails é privado e que não contém nada para além da conversa normal e privada entre cientistas.


Mas fica tudo na mesma
A responsável perante Obama para o clima, Carol Browner, diz que quanto a efeito de estufa o Climategate não influencia nada: vai ficar tudo na mesma. Como se previa. Em artigos de fé não se toca.
A imprensa europeia está calada, com excepção do Telegraph. A imprensa americana está calada, com excepção da Fox News (ver também aqui). A história resumiu-se, para os silenciosos, a um hacker que entrou nos computadores duma faculdade, fim de história. Hoje, o Washington Times lá se saiu com qualquer coisa.


O mesmo que fez a indústria do tabaco
Numa entrevista com um advogado, é dito que o CRU é a antítese de ciência e cometeu as mesmas desonestidades que a indústria do tabaco cometeu ao esconder dados e manipular revistas científicas.


Publicado mais um resumo
O site PrisonPlanet publicou um Climate Gate for Dummies.


Finalmente uma investigação!
Segunde este site começa o branqueamento: Lord Rees, da Royal Society, irá investigar o caso a pedido da Universidade de East Anglia.
Quando se diz Royal Society, há pouco mais a dizer: é uma das tais sociedades científicas que consideram que o assunto do aquecimento global está já todo investigado e não há que haver mais debate.
Quanto a seu membro Lord Rees, o Telegraph diz que é o mesmo que enviar o grão-vizir do Rei Herodes investigar o assasínio em massa de bebés na Judeia.


Congresso dos EU lança investigação
Através deste site, vê-se (video) que a Fox News teve uma entrevista com o senador James Inhofe que anunciou que foi iniciada uma investigação do Congresso sobre o assunto, e pessoalmente aos cientistas americanos envolvidos e contribuintes do IPCC. Michael Mann é referido como "o arquitecto da burla".


Mais uma citação célebre
"The fact is that we can’t account for the lack of warming at the moment and it is a travesty that we can’t. The CERES data published in the August BAMS 09 supplement on 2008 shows there should be even more warming: but the data are surely wrong. Our observing system is inadequate." (e-mails do CRU)
Trad.: "A verdade é que não conseguimos explicar a falta de aquecimento neste momento e é ridículo que não o possamos fazer. Os dados da CERES publicados no suplmento de 09 do BAMS relativos a 2008 mostram que devia haver ainda mais aquecimento: mas os dados estão com certeza errados. O nosso sistema de observação é inadequado." (Kevin Trenberth, Climate Analysis Section do National Center for Atmospheric Research).
Bem, é questão de esconder mais esta descida?


Aleluia! Expresso noticia pouco e de forma parcial, mas lá noticia
O Expresso noticia hoje com muita timidez (pelo menos na notícia online) o Climategate. No entanto, limitam-se a dizer que os "cientistas" discutiam a melhor maneira de manipular dados por forma a combater os argumentos dos cépticos e apoiar a tese antropogénica do aquecimento global. Depois deixa um link que conduz à propaganda habitual do AGAC, e não ao material do Climategate. É pouco, porque as implicações são muitas e graves; mas já fez melhor do que os outros, que estão quase todos caladinhos que nem ratos.


As desculpas do Mann
O Mann, nosso conhecido mestre em manipulação de dados, célebre autor do gráfico em stick de hóquei e considerado por um senador dos EU como "o arquitecto da burla", foi o único, até agora, que rompeu o silêncio do "I have no comments" (o Prof Phil Jones, por exemplo, está virtualmente incontactável) para dizer umas desculpas, que consegui voltar a encontrar.
1. E-mail: "Acabei de fazer o truque do Mike (Mann) de adicionar as temperaturas reais a cada série para os últimos 20 anos a a partir de 1961 para o Keith para esconder a descida."
Mann diz que truque deve ser entendido como uma solução para o problema, e que "esconder" foi uma má escolha de palavras.
2. E-mail: Phil Jones pede que sejam apagados todos os e-mails que tenham a ver com Keith e o 4º Relatório de Avaliação do IPCC.
Mann diz que recebeu esse e-mail, mas que não apagou nenhum e-mail.
Não é muito. Pois não?


A revisão
O Register de Orange County nota que, se se tira uma conclusão dos emails, é que os senhores do CRU e outros profissionais do aquecimento global corromperam o sistema de revisão de artigos para publicação em revistas científicas.
Também nos lembram que o centro de toda esta fraude, o CRU da UEA, é a parte central da promoção do AGC: a "ciência" feita no CRU é usada pelo IPCC da ONU, e os relatórios (aliás, os resumos para mentes simples) dominam a política, tal como a Cimeira de Copenhaga.


Talvez a ciência do AG seja demasiado tribal?
É a pergunta que faz o Prof Mike Hulme, do epicentro que está na Universidade de East Anglia, num artigo do Telegraph intitulado "O IPCC está morto".
Diz o Prof que a próxima Conferência em Copenhaga é acerca de política pura e mais nada; e que é possível que a climatologia tenha ficado demasiado partidarizada e centralizada (No IPCC, julgo?). Diz ainda que o tribalismo mostrado nalguns dos emails está mais associado à organização social das culturas primitivas e não fica nada bem em ciência.
Continua para elaborar que talvez o IPCC, essa inovação institucional, talvez tenha chegado ao fim do caminho. Vai haver um Assessment Report 5, sim, mas para quê? O próprio IPCC, pela sua tendência a politizar a climatologia (não lhe chamou climatologia, mas enfim) pode ter trazido uma forma de produzir conhecimento (WHAT!?) mais autoritária e fechada, na altura em que uma cultura global e a cultura wired cosmopolita precisam do oposto.


Mais uma voz a dizer que a ciência faliu neste caso
Judith Curry, Directora da School of Earth and Atmospheric Sciences do Georgia Institute of Technology, aquecedora moderada, citada no New York Times, recebeu uma carta de um estudante que lhe contava que o conteúdo de alguns emails do CRU fizeram com que parasse e pensasse se deveria continuar a fazer o doutoramento em climatologia (boa pergunta).
Conta ela então que os nosso valores fundamentais enquanto pesquisadores [são] o rigor do método científico, incluindo a reprodutibilidade, a integridade na investigação e na ética, uma mente aberta e um pensamento crítico. Em circunstância alguma se deve sacrificar algum desses valores, e o [conteúdo dos] emails do CRU parece terem violado todos.
Acrescenta que tentou compreender a posição dos cépticos a ponto de os convidar para seminários na Georgia Tech, e que teve de suportar bastantes reacções dos colegas por fazê-lo.
Noutro site, continua ela, diz que os dados de temperatura do HADCRU, depois de muitas análises de tipo stick de hóquei, estão completamente falhos de transparência, e que muitos desses dados só estão disponíveis publicamente pela pressão contínua de MacIntyre. Conjuntos mais antigos de dados, que deveriam ser reprocessados, não podem sê-lo porque as bases de dados estão corruptas ou foram mal mantidas.
"O máximo (é um ressalto) de temperatura de superfície de 1940 tem de ser explicado, e eu, pessoalmente, não tenho confiança na forma como este período está a ser tratado na análise do HADCRU". Compreendo; se bem me lembro, eles tiveram muitos problemas para conseguir baixar a temperatura desta altura, para fazer sobressair as temperaturas do fim do século.
"Comecei a preocupar.me quando algumas das tribos começaram a apontar os canhões para outros investigadores de clima que questionam a investigação que fizeram ou não passaram em vários testes de lealdade. Até comecei a participar no [blog] climateaudit.org [céptico, tem por inimigo o RealClimate, onde Gavin censura os comentários a favor da tribo do CRU] e dou os meus parabéns públicos ao Steve McIntyre quando ganhou o prémio para melhor blog de ciência e por isso recebeu um email muito desagradável de um dos membros da tribo!"
"É difícil de entender o continuado cerrar fileiras e apontar dos canhões aos cépticos tentando, aparentemente, reter dados e outra informação relevante para a investigação publicada, deformar o processo de revisão de artigos científicos para publicação e excluir artigos dos relatórios de avaliação (Assessment Reports da IPCC). [...] Estou especialmente preocupada com este comportamento aparentemente sustido e sistemático da parte de cientistas em posições editoriais, que trabalham em grupos e comissões importantes e participam nos principais relatórios de avaliação. São estas questões, reveladas nos emails do HADCRU, que mais me preocupam."


E os media, senhor?
No National Examiner, um editorialista queixa-se do silêncio dos principais media.
Já mencionámos isso, já explicámos, e estava-se á espera, pela doutrina e compromissos dos netos do dr. Goebbels. Mas mais uma opinião ajuda sempre.
"Não posso dar a certeza, mas andando pelos sites Internet [dos media, MSM - MainStream Media] não encontro referência às revelações do CRU. Isto põe-nos numa categoria muito questionável. Se tivessem sido enganados, estavam aos gritos. Não foram, e não estão. Se foram cúmplices então não se deve esperar que façam muito barulho. Não estão a dizer muito, se é que o fazem."
Cita ainda um curioso email de Tom Wigley, do CRU: "Na verdade o que vocês estão a fazer, na minha opinião, é uma forma de desonestidade mais subtil mas não menos notável do que as afirmações dos cépticos do efeito de estufa Michaels, Singer et al."
No blog de David Horowitz, NewsReal, David Fosmark queixa-se do mesmo e aconselha que se vejam as estações de TV russas:
"Os mesmos que publicaram os Papéis do Pentágono decidiram de repente que o direito do público a ser informado não existe a respeito de coisas que estragam a posição editorial do jornal.
"... Quando se chega às centenas [são milhares] de emails que expoem "cientistas" que estão a fabricar dados fraudulentos que são usados para ganhar controlo sobre a economia dos EU e do mundo em nome do "aquecimento global", o New York Times põe-se de repente esquisito quanto a expor documentos que "nunca foram intencionados para o olhar público". A última vez que guardaram um segredo tão bem, foi quando o Estaline estava a matar milhões de Ucranianos à fome."


Alterações económicas e comportamentais
Eugene Robinson, num editorial do Washington Post (o título da janela diz "Um planeta mais quente, e não interessa o que dizem os emails"), fala de alguns planos económicos e comportamentais para o mundo.
"... O episódio dos emails é mais como um grande embaraço para os cientistas envolvidos. A maioria dos americanos está convencida que as alterações climáticas são reais -- um pré-requisito para os enormes ajustamentos económicos e de comportamento que teremos de fazer para começar a reduzir, de forma séria, a emissão de carbono. Mas o consenso sobre a natureza e abrangência do problema vai dissipar-se, e depressa, se os peritos tentarem escamotear o facto de que há muito sobre o clima que ainda não sabem."
Digam-me, por favor, que o Clube Bilderberg é só uma reunião anual de pessoas interessadas em encontrarem-se e discutir umas coisinhas, a ver se eu fico mais descansado.


Campanha publicitária
Há sites duvidosos (quanto a mim) que dizem ter desenterrado, no monte de lixo do CRU, material referente a uma campanha publicitária, feita por uma agência Futerra, a favor do Aquecimento Global. Tenho dúvidas -- parece demasiado a criação de um mito urbano. Teria pouco a ver com ciência, julgo.


Zorita manda-se
Ao que parece, e pelo que se lê no seu blog, o "cientista" Zorita do CRU preferiu passar a salvar-se antes que o barco chegue ao fundo, e para isso passa por cima dos seus colegas, oops, co-conspiradores.


Wikipedia em Inglês
Passei por lá ontem, a ver "Climategate". Está lá e é seguro com mão-de-ferro por uns três ou quatro editores. Agora o verbete tem o nome misterioso "Incidente de hacking de e-mails na Climatic Research Unit".
Era de esperar que alguém estivesse a tratar desta parte da contenção de estragos. A Wikipedia, sobre aquecimento global, nunca foi muito imparcial ainda que tenha melhorado com o tempo.
Entre "agora tu é POV, mas tu não é POV" e "agora tu é blog, mas o blog do meu amigo já pode ser", "agora isso é investigação pessoal, mas tu não", lá vão aguentando aquilo.


Monckton: videos
http://www.youtube.com/watch?v=bLmTmrH1sxo e seguintes são uma entrevista telefónica recente de Monckton a uma rádio dos EUA sobre o Climategate. http://www.youtube.com/watch?v=i7tMY3ou0Yo&feature=relate é mais uma entrevista de Monckton numa TV dos EUA sobre dados colhidos que mostram que quanto mais sobe a temperatura mais radiação sai para o espaço, contrariando quase uma dezenas de modelos "consensuais".
e seguintes, até 10, são o video de uma conferência dada por Monckton em Outubro no Minnesotta que desmonta peça por peça os argumentos dos aquecedores. Cada video tem dez minutos e são dez videos... Até à parte 3 é apenas material introdutório sobre as consequências de fazer política com falsa ciẽncia, como o caso do DDT, que fez um milhão de mortos por ano.


Para rir, se possível
Alguém fez umas legendas novas para parte de um filme com o Hitler (em alemão...) É hilariante e põe a perspectiva do governo global que, apesar de estar no rascunho do Tratado de Copenhaga, a assinar, eu nem me quero meter nisso. Demasiado delirium bilderbergensis para o meu gosto.


Última Hora! Os dados do CRU vão ser publicados!

Telegraph:

A Equipa de Hóquei decidiu tornar públicos os seus dados climáticos. Isso irá ser feito em colaboração com o Hadley Center do Met Office.
O artigo diz que David Holland, engenheiro electrotécnico, lhes tem solicitado os dados ao longo de anos. Teria sido em relação a um pedido de Holland que se teria originado o email do CRU: "Oh MAN! Will this crap ever end?"
David Holland diz ter apresentado uma queixa ao Information Comissionner's Officer (que regula a liberdade de informação) na semana passada, e que poucas horas depois recebeu da UEA um email afirmando que estariam a preparar a entrega dos dados.
Diz Holland, acerca das suas qualificações: "estes tipos que se chamam cientistas do clima não tiveram mais química nem física do que eu."
Isso é conhecido -- poucos "climatologistas" são, de facto, climatologistas de formação, e provêm de áreas diferentes. A climatologia é uma ciência muito recente. Não é meteorologia.
O Prof Trevor Davies, da Pró-Vice-Chanceler da UEA, disse ontem: "A totalidade dos dados da CRU irá ser publicada no interesse da transparência da investigação quando tivermos os acordos necessários. Vale a pena lembrar que as nossas conclusões se correlacionam bem com as de outros cientistas que se baseiam em dados separados, mantidos pelo National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) e o NASA Goddard Institute for Space Studies (GISS) da NASA."
Alguns comentadores tinham dito que esta era uma das saídas possíveis. Oxalá entreguem depressa os dados, que eu também sei fazer conjuntos de dados do fim para o princípio.

Christian Science Monitor:

Relata que Michael Mann, da Pennsylvania State U, Chefe da Equipa de Hóquei, disse, numa teleconferẽncia desta semana, que "independentemente de como os emails estejam a ser escolhidos a dedo", "absolutamente nada que lá esteja põe em questão o profundo nível de consenso quanto a aquecimento global" (!!!). "Isto é uma campanha para distrair o público". "Os que se opoem ao aquecimento global pura e simplesmente não têm a ciência do lado deles".
O Prof Trevor Davies (acima) diz que os dados roubados são o último exemplo de uma campanha destinada a "distrair [as pessoas] de um debate racional" antes da Cimeira de Copenhaga.
Investigadores, Mann incluido, dizem que a culpa é dos cépticos que tentam minar ciência sólida sobre a condição do mundo e da humanidade (!!!). Tornaram "uma coisa inocente numa coisa nefasta", disse Mann na semana passada.
É mesmo muita lata, mas foi o Mann que inventou o Stick de Hóquei (mann-made graph) e fez desaparecer o óptimo climático medieval etc. E queixamo-nos nós dos narizes compridos dos nossos políticos!


Especial: O cão comeu o aquecimento global!


Foram mais espertos do que eu -- é muitos anos a virar frangos aldrabados. E eu que até já sabia que o cão comeu o aquecimento global.
Na essência: agora que lhes pediram que publicassem os dados, os rapazes da Equipa de Hóquei dizem que não os têm... apagaram-nos na década de 80. Ocupavam muito espaço... olhem, desculpem lá o mau jeito, tá bem? Mas afinal querem-nos para quê, se temos um vasto consenso e a ciência disto está toda assente? Debate? Então e o consenso?
Ficaram só os dados já processados, e da maneira como sabemos que a Equipa de Hóquei processa dados (ver as listagens dos programas) ficaram só os dados já aldrabados.
No Times Online, diz-se que a Equipa de Hóquei admite que deitou fora a maior parte dos dados de temperatura observados em que basearam os seus modelos de aquecimento global. Isto significa que mais nenhum cientista pode verificar como fizeram as contas para predizer o aumento de temperatura para os próximos 150 anos. (Ou seja, o centro da teoria do AGAC não é reprodutível!)
Foram forçados a revelar a eliminação dos dados no seguimento de pedidos para a sua entrega, feitos ao abrigo da Lei de Liberdade de Informação (FoIA). No website do CRU, dizem: "Não temos os dados medidos originais mas apenas os de valor acrescentado (controlo de qualidade e homogeneizados)." (Valor acrescentado!)
O CRU é o principal centro mundial para a reconstrução do clima e temperaturas do passado. Os adversários há muito que têm tentado ver como é que, exactamente, os dados foram compilados. Isso, agora, é impossível.
[Phil Jones do CRU] e os seus colegas dizem que este aumento de temperatura está "inequivocamente" associado à emissão de gases de estufa pela humanidade. Estes dados [apagados] são uma das principais provas usadas pelo IPCC da ONU, que diz que o aquecimento global é uma ameaça para a humanidade. Jones não estava a dirigir o CRU quando os dados foram apagados, na década de 80.
Roger Pilke, Prof de Estudos Ambientais na U do Colorado, descobriu que tinham "perdido" os dados quando pediu os registos originais. "Na essência, o CR está a dizer-nos, 'Confiem em nós'. É esta a importãncia que dão a resolver questões e terminar debates de modo científico".
Bom -- ele há uma resposta célebre do Phil Jones. Era uma vez Warwick Hughes, cientista australiano que se perguntava de onde vinha um tal "+/-". Escreveu ao Phil Jones e pediu-lhe os dados originais. O Prof Jones respondeu: "Temos aqui à volta de 25 anos de trabalho investido nisto. Porque é que lhe hei de enviar os dados, quando a sua ideia é encontrar erros no trabalho?" E nunca os enviou nem respondeu a mais nenhum email.
Continua Patrick Michaels: A desculpa do armazenamento de dados nos anos 80 é um disparate. [...] A totalidade dos dados cabia perfeitamente numa casette de 9 pistas, comum na década de 80. Eu próprio tive a totalidade dos dados barométricos de superfície mundiais numa só cassete em 1979.
Honestidade, transparência, debate científico honesto, ciência provada. Era o início de 2005. Se não é esconder dados, não sei o que lhe chame.


Adição
Roger Pielke Senior (o outro acima era o Junior), climatologista e investigador no Cooperative Institute for Research in Environmental Sciences (CIRES) da Universidade do Colorado comenta, no blog dele:
"Esta é uma revelação pasmosa, que significa que mais nenhum cientista vai poder avaliar a metodologia matemática que o CRU usou para converter as temperaturas observadas nas temperaturas ajustadas que foram apresentadas (pelo menos as respeitantes até 1980) no Relatório de 2007 do IPCC.
"Dizer que os novos dados são de "valor acrescentado" é uma afirmação absurda. De facto, documentamos num nosso artigo questões por resolver relativas à temperatura de superfície, que agora o CRU impede que seja acedida.
"A afirmação que a eliminação de dados data de 1980 sugere, no entanto, que os datos brutos a partir dessa altura estejam disponíveis. Estes dados necessitam de ser avaliados independentemente (i.e., nem pelo GISS nem pelo NCDC) e cada passo do seu "controlo de qualidade" e "homogeneização" avaliados quantitativamente - é claro, o GISS e o NCDC devem ter os dados anteriores a 1980."


Climategate para 29 de Novembro


Guardian: é preciso uma investigação porque a Equipa de Hóquei não fez nada de mal
O Guardian é a favor do AGAC. Dum seu artigo de dia 23:
Gente importante de ambos os lados do debate pediu um inquérito independente acerca de possibilidade de acção concertada entre os cientistas climáticos quanto a manipulação de dados e destruição de documentos que se encontravam sob a alçada do FoIA.
Lord Lawson: A reputação da ciência britânica está gravemente comprometida. É necessário um inquérito a alto nível, de imediato.
Bob Ward (Grantham Research Institute on Climate Change and the Environment): A única forma de clarificar as coisas agora é uma investigação rigorosa. [Tenho muita simpatia pelos cientistas da UEA] mas receio que só uma investigação exaustiva lhes possa limpar os nomes.
Tem de haver a certeza que esses emails não revelam conduta inadequada na preparação de artigos para publicação e no lidar com pedidos de outro cientistas para aceder aos dados.
Um porta-voz do Nature, revista mencionada nos emails, não faz comentários. A Nature, a Science, a New Scientist e o Scientific American, entre outras mais, alinham completamente a favor da Equipa de Hóquei e sempre o fizeram de forma descarada.
Um porta-voz do UK Met Office diz: “Se virem os emails, não há nenhuma prova que os dados foram falsificados nem que as alterações climáticas são uma fraude. É uma vergonha que alguns cépticos tenham recorrido a esta tentativa baixa para desacreditar ciência robusta feita por alguns dos cientistas mais respeitáveis do mundo. O resumo é que temos toda a confiança na nossa ciẽncia e nos nossos diversos conjuntos de dados. O processo de revisão científica continua tão robusto quanto poderia ser. Não nos surpreende que, com as conversações de Copenhaga a poucos dias de ocorrer, isto tenha acontecido agora.
Exemplar. De antologia. Cheio de palavras-chave. Um case study de negação e chavões políticos. (Sim, podem ler o link dos chavões com comentários e tudo, que tem piada.)
Andy Atkins (Director Executivo da Friends of the Earth): “Pedir um inquérito parece uma forma suspeita de desacreditar a ciência das alterações climáticas logo antes de negociações cruciais da ONU. A vasta maioria dos cientistas climáticos acredita que estão a ocorrer alterações climáticas, que é resultante da actividade humana, e que constitui uma ameaça grave ás pessoas em todo o planeta. Não podemos ser distraídos da necessidade urgente de agir para combater o aquecimento global. As nações ricas devem mostrar o caminho concordando em reduzir as suas emissões quando se encontrarem em Copenhaga no mês que vem”.
Outro que tal.


Um resumo do Climategate


Número de páginas no Google
Número de páginas devolvidas no Google em Inglês segundo a expressão de procura, hoje pela hora do almoço:


Climate Change
20800000
Climategate
12900000
Global Warming
10300000
Climatic Change
1800000



Chefe da Equipa de Hóquei investigado pela Penn State
O Financial Post anuncia que a Universidade Penn State começou a investigar o arquitecto da fraude, Michael Mann, na sequência dos documentos (emails, código de programas e HARRY_READ_ME) que tiveram origem na Universidade de East Anglia. Sim, porque, lembremo-nos, não foram só emails. Naqueles links podem lê-los com o contexto todo.


Sem comentários: