quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Climategate 30 de Novembro a 2 de Dezembro

(Reformatado a 2010-5-1)
(Estes textos foram copiados do meu blog no Sapo. Desculpem lá as cores e outras coisas que não funcionem.) 


Climategate a 30 de Novembro


Expresso
Parabéns pelo bom artigo no Expresso. Infelizmente está um bocado escondido lá pelo meio... e foi objecto de uma condensação sem consequências, que fez com que os comentários não se vissem. É certo que jornalismo é assim, mas há coisas que, se
resumidas, não passam do nível duma redacção de fim da primária, porque são grandes, tẽm muitos detalhes e não existe ainda uma opinião, cada um tem de fazer a sua e para isso tem de conhecê-los.


Uma vista fria do Aquecimento Global


Um comentário num blog
O comentário, neste blog, é do Prof Don Easterbrook:
"Passei quarenta anos a estudar alterações climáticas globais e, enquanto cientista, estou pasmado pela forma descuidada como Krugman se livra do escândalo dos emails de Hadley como sendo só "a maneira como os cientistas falam entre si". É como dizer que está muito bem para os políticos serem corruptos porque é assim que eles são. Um cientista legítimo não manipula dados, apaga dados de que não gosta, esconde dados que não quer que os outros vejam, pirateia o processo de revisão editorial científica, ataca pessoalmente outros cientistas cujas opiniões são diferentes das dele, envia dados fraudulentos para o IPCC que são usados para perpetuar a maior vigarice na história da ciência, dá dados falsos para facilitar legislação sobre alterações climáticas que vai resultar em lucros enormes para lobistas e políticos corruptos, nem diz mentiras descaradas acerca de dados científicos."
Eu nem me atrevia a pensar só para comigo nem em metade do que a Equipa de Hóquei escreveu e, ainda por cima, fez.


Mais um e-mail muito giro
Também enviaram para publicação dados inventados, como sempre, mas publicando os dados de Dezembro antes de o mês ter acabado.

O artigo que denuncia e discute está aqui, e o email é este.

Jenkins foi um dos primeiros 25 cientistas a trabalhar no Hadley Center, quando foi criado. Nuttall é porta-voz e director dos media no Programa Ambiental das Nações Unidas.

Conspiração, qual conspiração?


Activistas corridos por Gore
Alguns activistas contra o Climategate foram fazer perguntas a Al Gore numa sessão de autógrafos. Não tiveram resposta e foram postos na rua pela segurança.


Será o Câmbrico?
Leiam-me aquele primeiro parágrafo. E, já agora, a primeira página do capítulo. Será que a geologia é politicamente incorrecta, ou isto é mesmo climatologia séria???


Bilderberguices
Pero que las hay, las hay. Aqui.
O argumento é que uma elite de poder, um punhado de famílias e indivíduos fabulosamente ricos, promovem de motu propriu uma colecção de temas sociais preparados para que consolidem o seu poder e riqueza, muitas vezes à custa de nós todos. [...] 

Temos notado há muito que não interessa o quanto as pessoas razoáveis discordem dos dados, a promoção das alterações climáticas continua em frente. Isto, geralmente, quer dizer que está a decorrer uma promoção, uma promoção pela elite do poder, em especial, que não haverá dados que a parem, e que o raciocínio tem pouco a ver com os resultados. [...] 

[Esta promoção] é feita através de um conglomerado maciço de instituições públcias e privadas, nacionais e internacionais, e políticos e governos maleáveis. Estas promoções, distribuídas através dos media de maior volume, quase sempre envolvem uma falta de qualquer coisa, ou um qualquer desastre, e as soluções envolvem inevitavelmente uma acção autoritária pelas mesmas instituições (muitas vezes controladas pela elite) que propõem os problemas. O resultado: incríveis controlo e riqueza. 

Os Verdes estarão conluiados com o Kissinger para um governo mundial???


Corrompido até ao tutano

A falta de abertura intelectual destes supostos homens de ciência, a sua vontade em ir até à última consequência para defender uma mensagem preconceituosa, até a mim me surpreende. O fedor da corrupção intelectual é descomunal. [...] Este escândalo não se passa nas margens do processo politizado do IPCC/ONU. Não é tangente à política de prescrições que emana do que David Henderson chamou o meio político ambiental. Vai até ao centro desse processo.

Um tema surge [além dos outros]: a mais banal incompetência estatística. Esta é uma coisa que o estudo de Henderson sugeriu e foi também sublinhado no relatório de Wegman sobre o Stick de Hóquei bem como noutros estudos independentes desta controvérsia [e digam lá que há consenso]. [...] Os climatologistas fundamentam-se de modo muito importante em métodos estatísticos, mas não são necessariamente competentes em estatística. Alguns dos correspondentes nestes emails parece estarem completamente de fora. Isto explicaria a angústia deles em terem estatísticos a passear-se pelo trabalho deles em vez dos amiguinhos das ciências do clima. [...]

Lembremo-nos que isto [dados climáticos] não é um exercício académico. Estamos a considerar dispensar biliões [milhões de milhões] de dólares para resolver este suposto problema. Posso ler estes emails e achar que se pode confiar nos cientistas em causa? Não, não posso. Esta gente está pronta a subverter os métodos, como a revisão cientifica, que grantem a integridade da sua própria disciplina. Será isso o que é o habitual na ciẽncia hoje em dia? Se sim, devemos exigir, de imediato, padrões melhores, pelo menos quando "a ciência" pede uma mudança radical da economia mundial. 


Não, está tudo bem, a ciência é da melhor, vão por mim
Pachauri, Presidente do IPCC da ONU, diz que está tudo bem e que acreditem nos rapazes, que são sensacionais. E que, de qualquer modo, continua em frente. Aqui e aqui. Deve ser licenciado em Inglês.


Não há publicações críticas do aquecimento global

Não, porque tẽm sido suprimidas. Mas por acaso não é verdade: até há. Isto porque no Guardian um antigo consultor-chefe para a ciência para o governo Inglês diz que não há. E mais especificamente: "O que dizer aos negadores das alterações climáticas? Digo, perguntem a esse cientista se publicou alguma coisa sobre alterações climáticas na literatura conhecida nos últimos 20 anos, porque não existem nenhuns artigos críticos [do aquecimento global]."

Presunção, água benta e ignorância. Mas não se admirem. Dois dos actuais consultores para a ciência do presidente dos EEUU, Carol Browner e John Holdren vão pela mesma linha da cassette do partido: os emails não interessam, vamos continuar a salvar o mundo.

Já que estamos numa de consenso, podemos ver a Oregon Petition, a Leipzig Declaration, uma carta aberta à American Physical Society, e uma mesmo engraçada: a revolta da American Chemical Society. Compõe-se do editorial do director e das cartas (as publicadas) que recebeu em resposta. Está mais ou menos comentado aqui.


O aquecimento global já atinge Marte! Façam qualquer coisa!
Marte está a sofrer de aquecimento global. Talvez devamos mandar para lá o IPCC, ou mesmo a ONU inteira.


Confirma-se censura no Google
Confirmo que o Google Inglês retirou a sugestão Climategate da ajuda ao preenchimento automático, como tem sido dito.
A sugestão só é feita se "climategate" já tiver sido usado por esse browser como termo de busca. Senão, é "climate guatemala" o primeiro termo que surge. Isso é uma situação recente, de ontem ou de hoje de manhã. O google tem um historial de ajeitar a correcção política das pesquisas.

O número de páginas listadas para esse termo também desceu para 12.100.000.


Climategate, 1 de Dezembro


O hóquei internacional lá vai indo
Como já tinha dito, quando há dinheiro à vista, não há ciência que resista. Assim, tudo vai continuando a esfregar-se de contente para conseguir uma fatia dos biliões (repito: milhões de milões) anuais que a legislação do AGAC está a começar a gerar.

Ou, posto de outra maneira: se gritarmos todos com muita força, as coisas são como nós achamos que devem ser. link, link, link, link, link, link, link, link


A Ciência do Regime faz-se de braço no ar e quem discordar vai para a Sibéria

A Casa Branca diz que não quer ter nada a ver com o climategate porque a maioria das pessoas acredita no aquecimento global.

"À volta de vários milhares de cientistas chegaram à conclusão que as alterações climáticas estão a ocorrer", diz Gibbs.

Devem ser os tais 2.500 “cientistas” do IPCC. E os 30.000 da Oregon Petition são o quê?

“Não acredito, francamente, que [a realidade do aquecimento global] seja ainda assunto de discussão para a maioria das pessoas.”

Puro Reich de Mil Anos.


Diz ele que do Climategate já se falou na semana passada, e que como há milhares de cientistas que dizem que há aquecimento global, o assunto já não se discute (!).
Mais à frente (1:38 no vídeo) dizem-lhe que existe uma lista de mais de 30.000 cientistas, dos quais 6000 doutorados (a Oregon Petition) que objecta à conjectura do aquecimento global, ele responde que “não existe nenhuma base científica real para discutir” o aquecimento global (!!!). É de vómitos.

Para uma coisa 2.500 incompetentes chegam, mas para outra coisa 30.000 não, afirmações ambas sem lógica outra que não a lógica política. Esquizofrenia é assim. Com cérebros destes, um totem tribal do aquecimento global chega, ou talvez uma pagela do evangelista Gore. Voto neste simpático para Descerebrado do Ano.

Comentadores têm estado a evocar as semelhanças com o escândalo Lysenko da "ciência socialista" da União Soviética.


Má conduta científica

Um cientista da indústria farmacêutica diz, mais ou menos, que por muito más e sangrentas que outras controvérsias científicas tenham sido, nunca se viu tanta desonestidade.
 
"O que nos fica, tanto quanto vejo, é um grande conjunto de dados de origem em parte desconhecida, que foi ajustado por várias pessoas ao longo do tempo e sem documentação. Se não for este o caso, gostava muito que o CRU explicasse porque não, e com muito detalhe. E não quero ouvir falar de gente que acha que está tudo a correr muito bem."


Mais um incompetente climático
O admirável Sr. Rajendra Pachauri, director do IPCC da ONU, tem credenciais académicas misteriosas, mas que parece serem um cruzamento entre economista e engenheiro dos caminhos de ferro, o que lhe dá uma capacidade superior para fazer afirmações sobre aquecimento global. 

Claro que, se ele fosse dizer que o aquecimento global é um conto do vigário, ia para a rua e punha-se lá outro administrativo que dissesse os chavões adequados. O homem foi lá posto e está a ser pago para alguma coisa. Como diziam os guardas dos campos de concentração em Nuremberga, "É o meu emprego! Eu só cumpri ordens!"


Novo conceito de revisão científica
Na BBC News, uns senhores concluem que, se ocorreu alguma coisa de mau, foi mesmo com a revisão científica e propoem uma nova modalidade, a extended peer review: a revisão científica por pessoas que não tenham nem interesses nem competências na área do artigo (!). Dizem ainda que esse órgão supremo da objectividade, o IPCC da ONU, já usou essa metodologia nos Assessment Reports. Exemplar. Mas que desbunda.


Os financiamentos dos malditos cépticos e negadores do AGAC
Aqui. Financiamento de cépticos pela indústria do petróleo nos EUA em 2008: 125.000 dólares.

Recebido pelo CRU entre 2000 e 2006: 19 milhões de dólares

Gastos da EU com investigação de "alterações climáticas": 3.000 milhões de dólares.
Iniciativa climática da Califórnia, estado em bancarrota: 600 milhões de dólares

Orçamento dos USA com investigação climática: 2.000 milhões de dólares

A investigação vai para onde for o dinheiro. O dinheiro vai para onde houver oportunidades de fazer mais dinheiro.


Mais uma cabeça pelo chão na Austrália
O Partido Liberal Australiano correu com o seu líder, que era a favor das quotas de carbono e outras coisas dessas, e trocou-o por outro que uma vez disse que isso do AGAC era tudo bosta (sic).


Phil Jones afasta-se do cargo
A Univ de East Anglia informa que o Prof Phil Jones, director do CRU, fica suspenso enquanto durar a investigação em curso: aqui e aqui. Aqui, e aqui, diz-se que se afastou do cargo e o afastamento foi aceite. Mais uma vez, parabéns ao Expresso pela cobertura; e também ao Público. Até A Bola...

Isto não tem muito significado. É, enfim, procedimento normal naqueles países que são civilizados: se se está a ser investigado, vai-se para casa até ver e não se fazem ondas.


Entrevistas com ecologistas em plena negação
Dois cépticos entrevistam ecologistas em estado de negação e repetição catatónica de chavões após o climategate.


O Fim do Mundo vem aí!
O Prof Kevin Anderson, director do Centro Tyndall para Alterações Climáticas, acredita que apenas cerca de 10% da população do planeta -- cerca de 500 milhões -- sobrevive se a temperatura global aumentar 4 C. Se o meu avô não morresse, ainda hoje era vivo.
 
"Mas penso que é muito improvável que não tenhamos mortes maciças com 4 ºC. Se se tem uma população de 9 mil milhões em 2050 e se tem mais 4 ºC, 5 ºC ou 6 ºC, pode só se ter quinhentos milhões de sobreviventes." 


Pagai-nos, e sereis salvos!


A Inquisição das Alterações Climáticas
Artigo aqui

A sondagens mostram que os Americanos estão a arrefecer quanto ao AGAC. Para tal deve contribuir a mentalidade abrutalhada dos activistas, cujas afirmações muitas vezes são desafios ao bom senso e até à mais simples decência.

As que desafiam o bom senso, por exemplo: Dizem que nenhum cientista credível se afasta da ortodoxia do IPCC. Apresentamos alguns nomes, como Richard Lindzen, Fred Singer, William Gray, John Christy, Don Easterbrook, Piers Corbyn, Roy Spencer, Pat Michaels, James O'Brien, e eles impugnam-lhes as credenciais científicas. 

E se tiverem de redefinir o que é revisão científica, também o fazem. Depois pedem-nos que acreditemos neles quanto aos dados do CRU que foram apagados porque, vendo bem, são cientistas.


A ciência não está nada assente
Aqui, mais uma revisão curta sobre a falta de assentamento da “ciência” do aquecimento global, que agora se chama “alterações climáticas”.

Lamento não ter tempo de traduzir e resumir, mas está a ser muito volume.


Os cépticos, que estão confusos, não têm direito a falar
esclarece-nos um banqueiro acerca de climatologia
E o que diz comenta-se aqui. Trata-se de um Lord Stern, autor do infame Stern Report.
 E, por acaso, um Lord Stern com muitos interesses económicos no assunto.

O banqueiro diz-nos que as provas a favor do AGAC são esmagadoras. Eu diria que as provas de que essas provas foram fabricadas também são extremamente interessantes.
Acrescenta que, ainda que seja importante que todos os lados sejam ouvidos, o grau de cepticismo entre os "verdadeiros cientistas" é muito pequeno. Pergunto quantos "verdadeiros cientistas" estão fora da lista do IPCC e não são pagos pelos interesses financeiros do AGAC. E de Lord Stern, diga-se (ver abaixo).

"Há provas esmagadoras, de todas as proveniências, é esse o género de ciência do clima de que estamos a falar." Pronto, não é preciso repetir, provas esmagadoras, verdadeiros cientistas, a minha ciência do clima e não os falsos cientistas que dela discordam, já ouvimos isso tudo muitas vezes.

Dos comentários ao artigo, extraio este, longo, e faço-o por ser importante e difícil de lá encontrar:

Linhas gerais: Stern dirige o Grantham Institute for Climate Change, com o CEO do WWF e Fred Krupp. O investimento total de Grantham, através da Fundação Grantham, de 24 milhões de libras, é uma das maiores doações privadas à “ciência climática”.

O resto da história mete o Imperial College, o FMI, o WWF, o IPCC.

Lord Stern é outro dos intermediários de quotas de carbono também através das empresas IdeaGlobal e IdeaCarbon. Rapazinho desinteressado.

Para encontrar o comentário, vão ao artigo, e na página procurem "You've got it in one. The Grantham Institute which Lord Stern heads was set up in Feb 2007 by US billionaire Jeremy Grantham


Lâmpadas a energia muscular
Copenhaga tem uma árvore de natal acesa através de energia muscular – voluntários que pedalam para a manter acesa: Faça Exercício, Contribua Para Acender A Árvore e Salve o Planeta.

É bonito. Transmite uma mensagem de solidariedade e assim.


Os símbolos lêem-se de muitas maneiras. Este símbolo pode também significar que, para de futuroa manter lâmpadas acesas, vai ser preciso pedalar e suar muito; ou para manter a funcionar mercados gananciosos desenfreados, de que a árvore de Natal é o símbolo.


Do outro lado da árvore
Do outro lado da árvore, chegam as polícias holandesa, alemã e sueca.

Os países adjacentes estão a enviar polícia para repelir os indesejáveis da Cimeira de Copenhaga. Os media mostram fotografias de carros de polícia alemães, suecos e holandeses, para que sejam reconhecidos pelos suecos.

Do artigo: Todos os meios de comunicação cantam em coro que o AGAC pode ser uma catástrofe ainda pior que a originalmente prevista, se os líderes do mundo não conseguirem assinar um tratado nesta conferência. Estão agora a reportar que os cientistas avisam de um aumento de 7 C em 2100 a não ser que um tratado muito exaustivo seja assinado este mês. (Depressa, depressa, que eles estão a acordar!) É outra vez o discurso da Pravda soviética. 

E é a polícia supra-estado, do Reich Verde de Mil Anos, a ensaiar?


Diversas
Com as minhas desculpas por não traduzir e resumir, mas sou só uma pessoa.

Senado australiano chumba a lei das quotas de carbono.

O Prof Ian Plimer, outro desses cientistas cépticos que não existem, dá uns tirinhos no AGAC.

Lord Monkton põe cá fora um resumo do Climategate (aqui também.)


CO2: Até os bichinhos gostam
Vários organismos marinhos que têm conchas fazem conchas melhores com mais CO2. Mas nem todos: 7 dentre os 18 estudados.

"Ficámos supreendidos que alguns organismos não se comportaram como esperado em CO2 elevado [... ] Foram, de uma maneira qualquer, capazes de manipular o CO2.... para construir os seus esqueletos."

"O que foi verdadeiramente interessante foi que algumas destas riaturas, o coral, o mexilhão (hard clam) e a lagosta, por exemplo, não quiseram saber do CO2 para nada até que este atingisse 1000 partes por milhão (ppm)". Acima deste nível a calcificação reduziu-se no coral e no mexilhão, mas aumentou na lagosta. O CO2 atmosférico presente é que 380 ppm, e os aquecedores estão em pânico se aumenta 2%, para 388.

"Não podemos garantir que um CO2 elevado cause um declínio proporcional na calcificação de todos os organismos que usam conchas. O que estes resultados mostram é que a resposta dos organismos ao CO2 elevado é complexa e que agora temos de voltar atrás e estudar cada organismo detalhadamente." Aposto que quando publicarem descobrem que a revista não é "legítima".


Delicioso
O lado que ganha dinheiro, prestígio e poder convencendo-nos que nós humanos estamos a sobreaquecer o planeta diz que não há nesta história [Climategate] mais do que um par de bocejos e que a história verdadeira é o roubo criminoso do email de outras pessoas.

O lado que diz que não há forma de os humanos poderem causar aquecimento global e que toda esta loucura é uma ganância por poder e dinheiro diz que [os emails] é o cogumelo nuclear que assinala o fim da vigarice.

Como diz o presidente Obama, não vamos concluir já. Concordo. É demasiado divertido ver as penas do aquecimento global ser arrancadas uma a uma.


Verdadismo
Colbert define Verdadismo como sendo a verdade que queremos que seja verdadeira. Uma descrição certa da epistemologia pó-moderna de Mike Hulme, e funciona muito bem para as predições contemporãneas do clima, tal como já sabemos das discussões do Stick de Hóquei que saíram da CRU.

Colbert também desafiou a sua audiência televisiva a redefinir a realidade, o que fizeram, através desse meio de competância democrática garantida que é a Wikipedia.

Mas Colbert estava a ser satírico. Mike Hulme não.

Os bloggers que escavam o arquivo do CRU encontraram Hulme a alegadamente alterar temperaturas, pressionar revistas e a por o nome dele nas PR do Greenpeace.


Vaclav Klaus: O AGAC é um mito
Vaclav Klaus, Presidente Checo, diz que o AGAC é um mito e compara a ideologia do ambientalismo e dos alarmistas do AGAC à do comunismo.


Pornografia climática
Se der por si a ler que as alterações climáticas são "um filme de terror para adultos", que as sua consequências podem ser catastróficas, que terão um impacto tão irreversível e extenso no seu poder destruidor que irão alterar radicalmente a existência da humanidade, poderá estar a ser exposto a pornografia climática.


2500 cientistas não podem estar todos errados
E nove de cada dez estrela usam Lux. Por acaso, este parceiro acha que não são 2500 -- um número que já desceu dos 4000 que faziam parte deste chavão. Acha que, vendo bem, devem ser uns seiscentos. Mesmo contando com os que, como McIntyre, escreveram coisas que depois foram rejeitadas pelo IPCC por serem verdades inconvenientes. Isto é o Assessment Report do IPCC de 2007, um mero folheto (oops, 900 páginas...) de propaganda.

Sem comentários: