segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Carta aberta de mais um cientista que deixou o IPCC

http://sciencepolicy.colorado.edu/prometheus/archives/science_policy_general/000318chris_landsea_leaves.html

Em 2005, Chris Landsea decidiu abandonar o IPCC – devo dizer, tal como muitos outros.

Escreveu aos colegas uma carta aberta em que se queixa que a área em que contribui está politizada.

Para o AR4 (2007), Kevin Trenberth pediu-lhe que escrevesse sobre furacões, no que concordou.

Pouco depois Trenberth participou numa conferência em que o assunto era o aumento em actividade e energia dos furacões. Daí resultou que os media atribuíssem, nesse ano (2004) todos os furacões ao aquecimento global antropogénico. As transcrições da conferência mostram que Trenberth foi citado correctamente.

Landsea achou estranho que os participantes achassem que o \AG influenciasse a actividade dos furacões, já que nenhum dos participantes alguma vez tinha trabalhado nessa área, e nenhuma investigação anterior e de então mostrava qualquer tendência fiável, a longo prazo, de aumento na frequência ou intensidade de furacões ou ciclones tropicais, quer no Atlântico quer noutros lados. Também os relatórios do IPCC de 1995 e 2001 não tinham concluído isso.

Além disso, os indícios trazidos pelos estudos mais recentes e credíveis mostram que qualquer impacto futuro do AG em furacões será muito pequeno. Mesmo 5% será um exagero, no que respeita ao fim do século XXI.

Landsea ficou surpreendido que os colegas usassem os media para promover uma agenda sem bases científicas. Dado o papel de Trenberth na elaboração do AR4 do IPCC, ficou Landsea a duvidar que pudesse produzir uma avaliação escrita objectiva.

De facto, ficou a pensar que alguns colegas se identificavam com o IPCC, usavam essa identificação e faziam afirmações com pouca relação com a ciência.

Landsea falou com Trenberth e outros no IPCC e não foi considerado.

Considera que o processo do IPCC foi subvertido, se encontra comprometido e não é isento.

Também acha estranho que Kevin Trenberth, que fala à-vontade de furacões com a imprensa, já o não faz na Conferência sobre Mudanças e Variabilidade Climática, onde fez várias apresentações; talvez porque as suas especulações não se aguentassem perante o escrutínio de colegas.

Conclui dizendo que não pode continuar a colaborar de boa fé num processo que considera motivado por agendas preconcebidas e sem fundamento científico.

Sem comentários: