domingo, 24 de janeiro de 2010

Gráfico do dia: o CO2 da NASA

Aqui, numa página da NASA, encontra provas do aquecimento global antropogénico catastrófico.

Uma delas é este gráfico:

"Durante 650.000 anos, o CO2 atmosférico nunca esteve acima desta linha... até agora." Lá isso é verdade. Nem lhes pergunto onde estão os 650.000 anos todos, porque parece que o gráfico acaba pelos 400.000.

Mas, como dizia o meu professor de Ciências, e o que é isso à escala geológica? Ou seja, e antes desses 650.000 anos, o que se passava?

O resto da informação é isto (e está aqui):

Os dados do gráfico da NASA dizem só respeito a metade daquele bocadinho mais ou menos a direito, em baixo e à direita (o roxo é o CO2, azul a temperatura), no fim do gráfico, que se refere a metade do período actual, o Quaternário.

A Terra, e a Vida, começaram muito, muito antes. Por exemplo, no Câmbrico, há 500 milhões de anos, a Vida teve uma evolução especial; o CO2 era de mais de 2240 ppmv (hoje é 390 ppmv), ou seja, quase seis vezes mais que hoje. Antes disso havia ainda mais CO2; e só no Silúrico ele começou a descer.

Há mais dados do que os que estão no gráfico da NASA, que se limitou a escolher as alturas que eram convenientes para promover a ideia de concentrações de CO2 nunca vistas. Isso é aldrabar o gráfico escolhendo os pontos de início e fim que mais convêm, e apagando os outros.

A "ciência do clima" está cheia de gráficos incompletos. Ou começam tarde demais, ou acabam cedo demais, ou escolhem pontos mais interessantes para analisar tendências.

Atenção: eu não estou a dizer que o CO2 não está a aumentar. Está (também aqui). Estou a dizer que o gráfico não é honesto, apesar de dizer só verdades; e que a Terra e a Vida já passaram por concentrações de CO2 muito maiores.

Sem comentários: