sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

IPCC esquece-se de falar com um cientista

http://rogerpielkejr.blogspot.com/2010/01/what-does-pielke-think-about-this.html

http://rogerpielkejr.blogspot.com/2010/01/primer-on-egregious-eroors-in-ipcc-wg2.html

Roger Pielke Jr. é especialista em desastres (a sério!).

Um comentador do seu blog chamou-lhe a atenção para o AR4 WG2 (que tem estado também a levar pancada por causa dos erros com os glaciares dos Himalaias) e ele, sendo desconfiado do IPCC, por, diz ele, já por mais de uma vez dizerem que ele disse coisas que não disse, encontrou mais coisas.

Um cientista comenta nesse documento que determinado conceito era inadequado por sugerir que os danos por mau tempo em 2004 e 2005 punham em questão o trabalho de Pielke, e perguntava o que é que o Pielke pensava disso.

Alguém no IPCC não se faz de modas e diz que acha que o apresentado é suficiente para fazer o Pielke mudar de opinião.

Mas ao Pielke ninguém perguntou nada! Isto apesar de ele até já ter publicado, recentemente (para a altura) as suas próprias conclusões sobre o assunto e que, em poucas palavras, são que: sim, em 2004 e 2005 houve mais danos, mas as tempestades não aumentaram nem em frequência nem intensidade, pelo que há que procurar factores sociais.

Outro cientista diz que "Por razões desconhecidas, esta afirmação [a contribuição destas tendências relativas ao tempo para os danos causados pelo tempo] (que parece concordar implicitamente com o Roger e a conclusão da workshop de maio de 2006 de que os factores sociais são predominantes) foi retirada do SPM [Summary for Policymakers] final. Agora, o SPM não tem nenhuma afirmação quanto à atribuição das perdas em desastres naturais, e nós não sabemos qual é por aqui o "consenso"".

Mais uma fraudezinha do IPCC.

Sem comentários: