quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

O mar vai ficar... menos alcalino?

http://scienceandpublicpolicy.org/originals/acid_test.html

Acidificação do mar, ou diremos, menor alcalinização? Ou, mais uma vez, nada? Um pequeno guia para o novo susto, agora que os outros não estão já tão na moda. Olhemos para as gordas:

1. Nenhuma subida anterior do CO2 atmosférico tornou o mar mais ácido. Durante as grandes subidas anteriores, no Câmbrico e no Jurássico, foi precisamente quando se desenvolveram novas espécies de corais (calcite e aragonite).

2. Já há setenta vezes mais CO2 dissolvido no mar que há na atmosfera. Um aumento do CO2 atmosférico, em termos de pH do mar, é irrelevante – o aumento de CO2 dissolvido não ultrapassaria 1%.

3. O CO2 é apenas a sétima substância, em quantidade, a afectar o pH do mar. Além disso, ao dissolver-se e formar ácido carbónico, combina-se com o sódio do sal e forma... bicarbonato de sódio, uma base. Trata-se de um mecanismo tampão, tal como o que existe no sangue, que mantém o pH estável.

4. O mar está assente, claro, sobre grandes quantidades de rocha, quase todas elas alcalinas e que continuarão a sê-lo e o mar continuará a dissolvê-las.

Logo, nada sugere que o mar se torne ácido, nem que a vida marinha seja especialmente afectada. Já por aqui, neste blog, vimos referências de publicações científicas que indicam que muita vida marinha "com casca" prefere CO2 e temperaturas mais altas.

Sem comentários: