domingo, 25 de abril de 2010

Não estamos a aquecer tanto como esperado. Nem a arrefecer?

O calor continua mesmo a faltar. Um post recente no WUWT nota que a temperatura dos últimos anos tem evoluído melhor que o que os modelos do IPCC projectaram iria acontecer se se tivesse reduzido as emissões de carbono:


As temperaturas medidas recentemente são a linha a negro, a castanha clara o modelo se se cumprisse um acordo qualquer, que não me ocorre, mas seja qual tenha sido, não se cumpriu. Ou seja, os modelos falham – já tinha dito isto, não tinha? Para confirmar, fui aos nossos bons amigos do CRU ver os gráficos deles:


A descida não é tão interessante como isso, no gráfico deles. Isto é, não apostava nela metade da minha carteira bolsista (metade de zero é zero).
A ideia do post é que quando os aquecistas dizem que a subida de temperatura está a acelerar cada vez mais (já vão na segunda derivada...) isso não é assim. Além disso, há que considerar o sofisma gráfico da escolha dos pontos iniciais e finais para a tendência das temperaturas, que o IPCC costuma cometer.



Pode perfeitamente ocorrer uma queda de temperatura como a que ocorreu nos anos quarenta, em que se perdeu bem uma década de aquecimento; mas recuperou-se.
O autor do post, Orsengo, desenvolve então uma brincadeira matemática que se ajusta às temperaturas observadas, e prevê, se se pode dizer, uma queda semelhante:



Notem que, se quiserem brincar, está lá a equação, a que se deve juntar uma outra, linear.  A outra coisa interessante é que estes valores, 2030 e 2060, têm andado a ouvir-se nos corredores  dos artigos de jornais. Vá-se lá saber.
Chamo-lhe brincadeira matemática porque de facto é válido fazer isto, em termos de descrição da amostra, mas não é um resultado de saída de um modelo. Um modelo tem de ter em consideração todos os parâmetros da situação. É verdade que os modelos do CRU falham mas isto, que acerta, também não é um modelo a não ser no sentido mais simples. É, enfim, uma curva ajustada, e umas extrapolações.
Orsengo dá-nos um coeficiente de correlação de 0,88 para os dados contra a curva. Um r de 88% não é tão bom como se poderia esperar para uma curva ajustada, mas talvez eu esteja a exagerar na exigência. No entanto, os r têm um p (uma significância), que não foi calculada. Admito que pouca gente se lembra disso.
Enfim, não está mal, mas não faria previsões baseado nisto. E sendo assim, que conhecimento me traz?

Sem comentários: