sábado, 8 de maio de 2010

Pendentes!

Curiosamente, está a acontecer outra vez muita coisa ao mesmo tempo, e não estou a ter capacidade para dar conta do recado.



Está a decorrer uma audição do Congresso dos US que inclui Lord Monckton. É verdade que é só um contra uns cinco, mas este parceiro chega para eles todos juntos e mais uns tantos. Para eles, é como ver o Diabo.
Ao mesmo tempo, a US National Academy of Science saiu-se com um abaixo assinado a apoiar a conjectura do Aquecimento Global Antropogénico Catastrófico e a exigir ação imediata, mesmo sem se saber muito do assunto.
A generalidade dos subscritores desta carta não tem formação nem em meteorologia, nem em climatologia, nem em geologia sequer. Até há neurologistas, pediatras, bioquímicos e cristalógrafos. São duzentos e tal. Estou a investigar-lhes a formação a todos. Se um biólogo não tem formação para falar contra a conjectura do aquecimento global, também não pode falar a favor.
O mar perdeu muito calor desde o mês passado. Pobre Trenberth! O calor há de andar em algum lado. Talvez na gaveta de baixo do armário? No porta-luvas?
Num congresso de psiquiatria, mostra-se que os obsessivos-compulsivos têm ideias fixas com aquecimento global.
O National Institute of Environmental Health Sciences saiu-se a 22 de Abril com uma brochura colorida em que diz que o Aquecimento Global Antropogénico Catastrófico vai estragar-nos a vida sexual, provocar-nos ataques de asma, enfiar-nos numa depressão, conduzir-nos ao suicídio e mandar-nos a família toda para a miséria e a consulta externa de psiquiatria. Prometem investigar estes assuntos gravíssimos e imediatos, e outros, desde que lhes deem dinheiro.
Ele há coisas extraordinárias com o CO2. Há as variações anuais, mensais, diárias e a discrepância com as medições por métodos químicos. Levantam mais perguntas do que dão respostas.
A acidificação do mar e a vida dos corais e crustáceos e outras criaturas também está na calha.
Um resumo à quarta potência dos dados sobre mortalidade de inverno era capaz de ser jeitoso.
E mais tudo o que ainda não vi hoje, que o dia começou.



Sem comentários: